Avançar para o conteúdo principal desta página.
Inventário Artístico da Arquidiocese de Évora.
Apresentação

Inventário

Roteiros

Newsletter

Glossário

Links

Contactos


Página Inicial

Página de abertura

 

Azulejaria e Arte

Magnificat Maria

Expressões Artisticas da Fé

Joalharia na Arte Devocional

Relicários

Arte Indo-Portuguesa

 
Nossa Senhora da Graça do Divor.
Nossa Senhora da Graça do Divor
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Nossa Senhora com o Menino.
Nossa Senhora com o Menino
Painel ornamental.
Painel ornamental
Composição ornamental.
Composição ornamental
Cercadura com emblemas marianos.
Cercadura com emblemas marianos
Nossa Senhora da Boa Fé.
Nossa Senhora da Boa Fé
Nossa Senhora da Conceição com os símbolos Marianos.
Nossa Senhora da Conceição com os símbolos Marianos
Albarrada.
Albarrada
Padrão com volutas de acanto.
Padrão com volutas de acanto
Frontal de altar.
Frontal de altar
Calvário.
Calvário
Frontal de altar.
Frontal de altar
A Vida da Virgem.
A Vida da Virgem
São Miguel de Machede.
São Miguel de Machede
São Miguel pesando as almas.
São Miguel pesando as almas
Daniel na fossa dos leões.
Daniel na fossa dos leões
 
Painel de azulejos da primeira metade do século XVII, de padrão policromo, azul e amarelo, pertencente à igreja de Nossa Senhora da Boa Fé, nos arredores de Évora. Módulo de quatro por quatro azulejos, com fundo amarelo e quadrifólio azul e branco que inscreve entrelaçado de motivos fitomórficos apanhados por braçadeiras. Os interstícios são preenchidos por rosetas de folhas de acanto que rematam em flor-de-lis. Cantoneiras azuis e brancas com motivos vegetalistas estilizados. No topo observam-se azulejos de barra de cadeia dispostos arbitrariamente, com motivos fitomórficos e dente de serra.

Frontal de altar

Olarias de Lisboa
Primeira metade do século XVII

 

   
  Ampliar imagem.
   
Muito da azulejaria seiscentista que conhecemos foi preservada pela acção deliberada de párocos, arquitectos e mestres ladrilhadores da segunda metade do século XVIII, que com liberdade propuseram novas soluções decorativas. Pode ser esse o caso do frontal de altar formado por um revestimento de padrão com quadrifólios, numa clara proposta de reutilização.