Avançar para o conteúdo principal desta página.
Inventário Artístico da Arquidiocese de Évora.
Apresentação

Inventário

Roteiros

Newsletter

Glossário

Links

Contactos


Página Inicial

Página de abertura

 

Azulejaria e Arte

Magnificat Maria

Expressões Artisticas da Fé

Joalharia na Arte Devocional

Relicários

Arte Indo-Portuguesa

 
Nossa Senhora da Graça do Divor.
Nossa Senhora da Graça do Divor
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Nossa Senhora com o Menino.
Nossa Senhora com o Menino
Painel ornamental.
Painel ornamental
Composição ornamental.
Composição ornamental
Cercadura com emblemas marianos.
Cercadura com emblemas marianos
Nossa Senhora da Boa Fé.
Nossa Senhora da Boa Fé
Nossa Senhora da Conceição com os símbolos Marianos.
Nossa Senhora da Conceição com os símbolos Marianos
Albarrada.
Albarrada
Padrão com volutas de acanto.
Padrão com volutas de acanto
Frontal de altar.
Frontal de altar
Calvário.
Calvário
Frontal de altar.
Frontal de altar
A Vida da Virgem.
A Vida da Virgem
São Miguel de Machede.
São Miguel de Machede
São Miguel pesando as almas.
São Miguel pesando as almas
Daniel na fossa dos leões.
Daniel na fossa dos leões
 
Painéis de azulejos de padrão monocromático, pertencentes à igreja de Nossa Senhora da Boa Fé, nos arredores de Évora. Conjunto de albarradas, quase simétricas, com representação de vaso florido, asado, com bojo ornamentado por godrões e pé com folhas de acanto. O conjunto é ladeado por par de aves com ramo no bico. Cada albarrada é composta por painéis de seis por sete azulejos. Os painéis são rematados por uma barra azul e branca, decorada por enrolamentos de folhas de acanto estilizadas, afrentadas, entre filetes.

Albarrada

Olarias de Lisboa
finais do século XVII,
inícios do século XVIII

 

   
  Ampliar imagem.
   
As composições de albarradas, com a representação de grandes vasos floridos, sublinham a popularidade do género erudito das naturezas-mortas. Na tradição da azulejaria representam também a autonomização e sistematização de elementos das composições ornamentais seiscentistas. Presentes nos repertórios das oficinas lisboetas a partir da última década do século XVII, essas primeiras versões impressionam pela riqueza de detalhes, pela qualidade na representação das flores e aves e pela intensidade vibrante da pintura.