Avançar para o conteúdo principal desta página.
Inventário Artístico da Arquidiocese de Évora.
Apresentação

Inventário

Roteiros

Newsletter

Glossário

Links

Contactos


Página Inicial

Página de abertura

 

Azulejaria e Arte

Magnificat Maria

Expressões Artisticas da Fé

Joalharia na Arte Devocional

Relicários

Arte Indo-Portuguesa

 
Nossa Senhora da Graça do Divor.
Nossa Senhora da Graça do Divor
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Azulejos de Padrão.
Azulejos de Padrão
Nossa Senhora com o Menino.
Nossa Senhora com o Menino
Painel ornamental.
Painel ornamental
Composição ornamental.
Composição ornamental
Cercadura com emblemas marianos.
Cercadura com emblemas marianos
Nossa Senhora da Boa Fé.
Nossa Senhora da Boa Fé
Nossa Senhora da Conceição com os símbolos Marianos.
Nossa Senhora da Conceição com os símbolos Marianos
Albarrada.
Albarrada
Padrão com volutas de acanto.
Padrão com volutas de acanto
Frontal de altar.
Frontal de altar
Calvário.
Calvário
Frontal de altar.
Frontal de altar
A Vida da Virgem.
A Vida da Virgem
São Miguel de Machede.
São Miguel de Machede
São Miguel pesando as almas.
São Miguel pesando as almas
Daniel na fossa dos leões.
Daniel na fossa dos leões
 
Nossa Senhora da Boa Fé.

Nossa Senhora da Boa Fé

 

 

   
  Ampliar imagem.
   
Ao transpor o portal manuelino da pequena Igreja de Nossa Senhora da Boa Fé, o visitante é surpreendido por uma intensa e suave luminosidade azul e branca que emana do alto revestimento de azulejos da nave. Trata-se de um conjunto reorganizado em obras posteriores ao grande sismo de 1755, que optou, no nível inferior, pela manutenção das albarradas e padrões Barrocos - realizados entre a última década do século XVII e primeira do século XVIII - acrescentando uma série de painéis figurativos com cenas da Vida da Virgem, na parte superior.

Do lado direito de quem entra, houve necessidade de se refazer os conjuntos de albarradas, e podemos comparar as diferenças técnicas que separam as duas produções, com a preferência pela adopção de um tom mais claro de azul, que corresponde a um maior refinamento na manufactura das “tintas” e a incorporação de menor quantidade de óxido de cobalto.

Além do enraizamento do gosto, foi esse afã restaurador e revivalista, presente em muitas intervenções pós-terramoto, o responsável pela manutenção, dentro do ciclo de azulejaria Rococó, de uma produção mais conservadora, realizada apenas a azul e branco.

Um registo de Nossa Senhora localizado no exterior, e dois frontais de altar completam o valioso espólio azulejar do templo da Boa Fé, um primeiro realizado com o aproveitamento de azulejos de padrão, e um segundo pela adaptação de um conjunto maior, demonstrando a validade decorativa do azulejo, muito para além das campanhas decorativas para os quais foram produzidos.